Supermercados em Maricá aumentam quantidade de água mineral disponível nas prateleiras

Supermercados reforçam estoques de água mineral nas prateleiras | Enfoco

Supermercados reforçam estoques de água mineral nas prateleiras em Niterói e região metropolitana do Rio de Janeiro

Após um corte no fornecimento de água pelo sistema Imunana-Laranjal, os mercados e atacadistas da região metropolitana do Rio de Janeiro estão reforçando seus estoques de água mineral para atender à alta demanda dos consumidores. Os municípios afetados pelo problema incluem Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, parte de e Paquetá.

Em Niterói, o mercado Atacadista Assaí teve que aumentar seu estoque de água mineral para suprir a necessidade dos clientes. Pilhas de garrafas de água, em diversos tamanhos, foram colocadas nas prateleiras, enquanto os consumidores enchiam seus carrinhos com o produto. O advogado Valdecio de Amorim ressaltou a importância de comprar água nesse momento e elogiou o preço do produto.

O Prezunic, localizado no bairro Fonseca, também reabasteceu suas prateleiras com água mineral. A empresa emitiu um comunicado informando que todas as lojas situadas na região afetada tiveram seus estoques reforçados. Além disso, a rede adotou preços promocionais e limitou a venda a seis fardos de água mineral por CPF, equivalente a 36 unidades de 1,5 litros, quantidade suficiente para abastecer a população nos dias seguintes.

Os consumidores estão enfrentando dificuldades para encontrar água em suas residências. O técnico em Eletrônica Cleiton de Andrade relatou que sua casa possui uma cisterna com um pequeno volume de água, suficiente apenas para encher a caixa d'água. No entanto, a falta de água para beber e cozinhar os levou até o supermercado para comprar o produto.

A situação tem preocupado os moradores da região, que estão buscando alternativas para garantir o abastecimento de água. Muitos têm recorrido aos supermercados em busca de água mineral, uma vez que seus reservatórios domésticos estão quase esgotados.

A crise no abastecimento de água na região metropolitana do Rio de Janeiro foi causada por um corte no fornecimento pelo sistema Imunana-Laranjal, responsável por abastecer cerca de 9 milhões de pessoas. O motivo do corte foi a detecção de uma substância geosmina na água, que causa mau cheiro e gosto. Essa substância é produzida por algas presentes no Rio Guandu, que abastece a região.

O problema afeta não apenas o abastecimento doméstico, mas também o funcionamento de comércios e indústrias. Além disso, a falta de água compromete a higiene pessoal e a prevenção do coronavírus, uma vez que o uso de água para lavar as mãos é indispensável nesse período de pandemia.

Diante dessa situação, os supermercados se tornaram essenciais para garantir o acesso à água potável. Os estabelecimentos estão se esforçando para reabastecer suas prateleiras e limitar a quantidade de venda por pessoa, a fim de evitar o desabastecimento e garantir que todos tenham acesso ao produto.

É importante que a população colabore nesse momento, comprando apenas a quantidade necessária de água e evitando o desperdício. Além disso, é fundamental que as autoridades competentes tomem medidas para solucionar o problema no abastecimento de água o mais rápido possível, garantindo assim a normalidade da vida dos moradores da região.

A falta de água é um problema grave e precisa ser enfrentado de maneira eficiente por todos os envolvidos. Enquanto isso, os supermercados continuarão reforçando seus estoques de água mineral, visando suprir as necessidades dos consumidores que estão enfrentando essa difícil situação.

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Bruno Rodrigo Souza

Bruno Rodrigo Souza

Bruno é Fundador e Editor no Guia Região dos Lagos

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]