Menu

> Cidades

[wilcity_quick_search_form_shortcode]

Retorno à Terra de módulo lunar dos EUA após esgotamento de combustível

Módulo de alunissagem dos EUA se dirige à Terra após perda de combustível

Um módulo de alunissagem privado dos Estados Unidos, que vinha perdendo combustível ao longo de sua jornada, agora está se dirigindo à Terra e provavelmente queimará na atmosfera, relatou neste sábado (13) a empresa responsável por sua construção.

A Astrobotic tem fornecido atualizações periódicas sobre o estado do módulo de alunissagem Peregrine desde o início de sua viagem problemática, que começou quando foi lançado por um novo foguete Vulcan construído pela United Launch Alliance em 8 de janeiro.

Logo após se separar do foguete, a nave sofreu uma explosão a bordo e ficou claro que não conseguiria pousar suavemente na Lua devido à quantidade de combustível que estava perdendo. No entanto, a equipe da Astrobotic conseguiu ligar os experimentos científicos que transportava para a Nasa e outras agências espaciais, coletando dados sobre o voo espacial.

O módulo de alunissagem Peregrine foi desenvolvido como parte do programa “Claro Escuro”, liderado pela NASA, que tem como objetivo enviar até três cargas úteis científicas para a Lua até 2023. A Astrobotic foi selecionada para fazer parte desse programa e a missão atual do Peregrine é entregar cargas úteis até a região lunar conhecida como Lacus Mortis.

No entanto, devido à perda de combustível, o módulo está retornando à Terra antes do planejado. A empresa Astrobotic ressaltou que isso não é um fracasso, mas sim uma oportunidade de aprendizado, pois coletaram dados valiosos sobre a falha e poderão aplicar melhorias em futuras missões.

A alunissagem é uma etapa crucial na exploração espacial, pois permite o pouso de naves e astronautas na Lua. Com essas missões, é possível melhorar nossa compreensão do satélite natural e buscar recursos que possam ser utilizados em futuras explorações espaciais, como água e minerais.

O retorno do módulo à Terra envolve vários desafios técnicos, como a entrada na atmosfera terrestre em alta velocidade e a proteção contra o calor gerado pela fricção. A empresa responsável pelo módulo está preparada para esse processo e espera que ele seja concluído com segurança.

Apesar do contratempo, é importante destacar os avanços e conquistas alcançados na exploração espacial. O programa Claro Escuro e outras missões têm contribuído significativamente para ampliar nosso conhecimento sobre o espaço e pavimentar o caminho para futuras explorações.

A Astrobotic e outras empresas privadas têm desempenhado um papel fundamental nesse processo, proporcionando novas oportunidades e inovações no campo da exploração espacial. Com o apoio de agências espaciais e parcerias internacionais, estamos avançando para novos horizontes e ampliando os limites do conhecimento humano.

A queda controlada do módulo de alunissagem na atmosfera terrestre não representa apenas o fim de uma missão, mas sim o início de novas possibilidades e descobertas. Os dados coletados durante essa jornada serão analisados e utilizados para aprimorar tecnologias e garantir o sucesso de futuras missões.

Em um momento em que a exploração espacial está cada vez mais presente no imaginário coletivo, é importante valorizar esses esforços e reconhecer a importância do conhecimento científico. Através da exploração do espaço, estamos desvendando os mistérios do universo e buscando respostas para questões fundamentais sobre nossa origem e nosso lugar no cosmos.

Portanto, mesmo diante dos desafios e contratempos, devemos continuar apoiando e incentivando essas iniciativas, para que a exploração espacial continue a nos surpreender e inspirar, expandindo os horizontes da humanidade.

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Felipe Rabello

Felipe Rabello

Felipe é um dos editores do Guia Região dos Lagos.

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]