Prisão em Araruama de agiota que aplicava juros de até 30% ao mês e recorria à violência contra vítimas | Notícia de Araruama

spot_img

Agiota que cobrava juros de até 30% ao mês e usava violência contra vítimas é preso em Araruama

Um agiota que cobrava juros extorsivos de até 30% ao mês e utilizava violência e ameaças para intimidar as vítimas foi preso em flagrante nesta segunda-feira (11) em , durante uma operação da Polícia Civil.

Segundo as investigações, o criminoso, que não teve seu nome divulgado, fazia empréstimos ilegais e cobrava juros abusivos. Além disso, ele ameaçava violentamente as vítimas caso não conseguissem pagar as dívidas. Algumas vítimas ainda continuavam sendo cobradas mesmo após quitar o débito.

Prisão e investigações

O agiota foi preso no bairro da Fazendinha, em , após se apropriar de um veículo e de bens pessoais de uma das vítimas que não estava conseguindo honrar com os pagamentos das dívidas. A operação também contou com diligências nos municípios de Iguaba Grande e no Rio de Janeiro.

Durante a ação, foram realizados bloqueios de contas utilizadas pelo grupo criminoso para receber os valores cobrados das vítimas. Os agentes da Polícia Civil encontraram evidências que confirmam as práticas ilícitas realizadas pelo agiota e sua equipe.

Crimes de agiotagem e extorsão

Diante das provas encontradas, foi cumprido um mandado de prisão temporária contra o agiota pelos crimes de agiotagem e extorsão. As investigações ainda estão em andamento com o objetivo de localizar e prender outros envolvidos, bem como reunir novos elementos que contribuirão com as investigações.

Prejuízo às vítimas

A atuação do agiota causou um enorme prejuízo financeiro e emocional às vítimas. Muitas delas foram obrigadas a contrair empréstimos para quitar as dívidas, caindo em um ciclo vicioso de endividamento e ameaças.

O caso serve de alerta para as pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade financeira e que podem ser facilmente exploradas por agiotas. É importante buscar ajuda de instituições financeiras confiáveis e denunciar qualquer tipo de ameaça ou extorsão.

Medidas de combate à agiotagem

Para combater esse tipo de crime, é fundamental que as autoridades fortaleçam as ações de fiscalização e repressão aos agiotas. Além disso, é necessário investir em educação financeira, orientando as pessoas sobre os riscos de se envolver com agiotas e oferecendo alternativas de crédito legal.

É importante que as vítimas denunciem os agiotas, mesmo que tenham medo das consequências. Somente denunciando é possível interromper essa prática criminosa e proteger outras pessoas do mesmo tipo de exploração.

Conclusão

A prisão do agiota em Araruama representa uma vitória no combate à agiotagem e à extorsão financeira. É essencial que as autoridades continuem trabalhando para identificar e deter os envolvidos nesse tipo de crime, garantindo a segurança e o bem-estar da população.

Além disso, é necessário conscientizar as pessoas sobre os riscos de se envolver com agiotas e a importância de buscar alternativas legais de crédito. Somente com uma maior conscientização e ação conjunta poderemos acabar com essa prática criminosa e proteger as vítimas.

A população também deve estar atenta e denunciar casos suspeitos de agiotagem, contribuindo para a investigação e a punição dos criminosos envolvidos nessa atividade ilegal. Assim, poderemos construir uma sociedade mais justa e livre do medo e da exploração financeira.

Este texto é uma reescrita com base na seguinte notícia.

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Bruno Rodrigo Souza

Bruno Rodrigo Souza

Bruno é Fundador e Editor no Guia Região dos Lagos

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]