Macacos-dourados resgatados de veleiro na África são oriundos do Parque Natural de Cabo Frio.

spot_img

: Ações de combate ao tráfico de animais silvestres no Parque Natural Municipal do Mico-Leão-Dourado

A Secretaria de Meio Ambiente e Saneamento de está intensificando suas medidas de prevenção e combate ao tráfico de animais silvestres no Parque Natural Municipal do Mico-Leão-Dourado. Com o objetivo de proteger a biodiversidade local, serão adotadas várias ações, como a instalação de câmeras de vigilância, a criação de um pórtico na entrada da área de preservação ambiental e o pedido de patrulhamento ostensivo da 8ª Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) para combater crimes de caça e captura de animais, especialmente o mico-leão-dourado.

Essas medidas foram adotadas como resposta aos crimes recentes contra a fauna silvestre nas áreas de proteção ambiental do município. Na semana passada, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Saneamento confirmou que dois dos micos resgatados em um veleiro em Togo, na África, pertenciam ao Parque Natural Municipal do Mico-Leão-Dourado, em Tamoios. Apesar de estarem debilitados, os animais resgatados já estão sob monitoramento constante e passarão por reabilitação.

Durante esta semana, os 17 micos do parque estão recebendo cuidados veterinários e passarão por um período de quarentena em um centro especializado no Brasil. Esses dois micos foram identificados por meio de uma tatuagem permanente em suas coxas com o código “PM14”, que indica que eles são do Parque Municipal e foram os 14º primata a ser registrado.

A repatriação dos primatas ocorreu no último domingo (25) e foi uma ação conjunta entre diversos órgãos oficiais de preservação ambiental, como o IBAMA, o ICMBio, a Polícia Federal e o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. Um avião foi enviado para resgatar os micos e araras, que são espécies exclusivas do Brasil.

O Parque Natural Municipal do Mico-Leão-Dourado está adotando medidas rigorosas de segurança para proteger os animais, incluindo o monitoramento constante por uma equipe especializada, o patrulhamento ostensivo, a instalação de câmeras de segurança e o controle de acesso ao parque por meio de um pórtico na entrada. A secretária de Meio Ambiente, Rosalice Fernandes, está acompanhando de perto a repatriação dos micos e a identificação do local de origem de cada espécie traficada para o Togo.

“A proteção de nossa biodiversidade é uma prioridade e estamos tomando uma série de ações contra o tráfico de animais ameaçados, como o mico-leão-dourado. Não vamos permitir que espécies endêmicas brasileiras sejam submetidas a condições horríveis como essa. Garantir a segurança dos micos-leões-dourados, que vivem em nosso município, é fundamental”, destaca Rosalice Fernandes.

O tráfico de animais silvestres é um crime grave que coloca em risco a sobrevivência de espécies ameaçadas de extinção, como o mico-leão-dourado. Além disso, causa sofrimento aos animais, que são retirados de seu habitat natural e transportados de forma precária. A Secretaria de Meio Ambiente de Cabo Frio reforça seu compromisso com a proteção da fauna e da biodiversidade e realiza ações de combate ao tráfico de animais silvestres em parceria com órgãos de fiscalização e outras instituições.

Em caso de denúncias relacionadas ao tráfico de animais silvestres, a população pode entrar em contato com a Secretaria de Meio Ambiente de Cabo Frio pelo telefone (22) 3199-1313 ou pelo e-mail [email protected]. Também é possível entrar em contato com a Guarda Marítima e Ambiental pelo telefone (22) 3199-9863.

Fonte da Notícia: Guia Região dos Lagos

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Bruno Rodrigo Souza

Bruno Rodrigo Souza

Bruno é Fundador e Editor no Guia Região dos Lagos

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]