Menu

> Cidades

[wilcity_quick_search_form_shortcode]

Comunidades no País de Gales festejam certificado de céu noturno preservado”

via láctea

Comunidades no País de Gales celebram certificado de “céu escuro”

via láctea
A Via Láctea sobre Brecon Beacons, uma vila próxima de Presteigne e Norton, no País de Gales. Foto: grahamvphoto | Flickr

O excesso de iluminação nas áreas urbanas pode ser classificado como poluição luminosa e tem impactos na vida selvagem, interferindo no comportamento de mamíferos, insetos e aves noturnas. A saúde humana também é afetada, já que esse estímulo tem efeito na qualidade do sono. Além disso, as lâmpadas consomem energia elétrica, gerando gastos e impactando as mudanças climáticas. Para completar, as luzes ao nosso redor atrapalham uma das visões mais bonitas que podemos ter: o céu estrelado.

Como forma de combater os problemas causados pela poluição luminosa, a DarkSky International trabalha para promover práticas de iluminação responsáveis, além de ajudar no desenvolvimento de pesquisas científicas e leis sobre o tema. Outra área de atuação é o programa Dark Sky Places, ou Lugares de Céu Escuro em português.

hora do planeta
Foto: NASA

Cidades, bairros ou comunidades podem receber certificados quando possuem práticas que garantem um céu livre de poluição luminosa. Recentemente, as comunidades da cidade de Presteigne e da vila de Norton, no País de Gales, receberam seus certificados de “Comunidade de Céu Escuro”, tornando-se as primeiras no país a receber essa distinção.

Uma das medidas adotadas foi a decisão de apagar ou diminuir a intensidade das luzes mais cedo. “O trabalho de comprovar os benefícios de se ter um céu escuro começou há 6 anos”, disse Leigh-Harling Bowen, líder da Comunidade Presteigne & Norton Dark Skies. “Este trabalho incluiu um investimento na utilização de iluminação pública eficiente e de baixo consumo de energia, com ‘céus escuros’, que reduziram nosso impacto no ambiente. Essa mudança resultou em uma redução das emissões de gases com efeito de estufa, juntamente com um efeito benéfico sobre a vida selvagem”.

A cidade e a vila ficam em Powys, o maior condado do País de Gales, e têm uma população de cerca de 3 mil pessoas. A área certificada como comunidade de céu escuro cobre aproximadamente 24 quilômetros quadrados. Com as práticas responsáveis adotadas no local, o projeto Dark Sky reduziu as emissões anuais de carbono da área em quase cinco toneladas.

“A abordagem adotada para modernizar a iluminação usando tecnologia adaptativa é única e servirá como um excelente exemplo de como é possível usar a tecnologia para melhorar a segurança e a eficiência energética. Esse trabalho sinaliza uma mudança importante no design de iluminação em nível comunitário, mostrando que ser favorável ao céu escuro não significa apagar as luzes”, disse Amber Harrison, gerente de programa do Dark Sky Places.

As 380 colunas de iluminação da área foram reformadas com luzes LED de 2.200K. Depois da meia-noite, 40% foram programados para desligar, e o restante foi configurado para mudar para metade da intensidade. Isso não só reduz o brilho das luzes, mas também aumenta sua longevidade, ao mesmo tempo que reduz o consumo de energia.

“Estamos garantindo que as luzes não afetem negativamente as rotas dos morcegos ou as áreas de alimentação das lontras e usamos especificamente uma temperatura de cor de 2.200K para nossas lanternas, para que sejam ecológicas e compatíveis com o céu escuro”, disse Jackie Charlton, membro do gabinete do Conselho de Powys.

Com o sucesso da iniciativa nessa primeira comunidade, autoridades estão estudando a viabilidade de ações semelhantes em todo o País de Gales.

“A redução da poluição luminosa também nos permitiu ver claramente nosso céu estrelado, um legado que nossos filhos e netos continuarão a desfrutar”, completou Leigh-Harling Bowen.

céu estrelado
Sem a poluição luminosa das áreas urbanas, é possível ver melhor as estrelas no céu. Foto: Klemen Vrankar | Unsplash
Ajude-nos e avalie esta notícia.

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]