Cabo Frio: Vidente detida em Cabo Frio gravou áudio falso para auxiliar suspeita a ludibriar namorado e permanecer um mês na residência de empresário

spot_img

: Cigana presa em grava áudio falso para ajudar suspeita a enganar namorado e ficar um mês na casa de empresário

A cigana Suyany Breschak, que está presa em Cabo Frio, enviou um áudio com conteúdo falso para ajudar Júlia Andrade Cathermol Pimenta a enganar o namorado Jean Cavalcante de Azevedo. O objetivo delas era fazer com que Júlia passasse um mês na casa do empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond sem levantar suspeitas sobre o seu sumiço. Júlia está presa sob suspeita de envenenar e matar Luiz Marcelo com um brigadeirão. Suyany também está detida, acusada de ser a mandante do crime.

O áudio chegou à 25ª DP (Engenho Novo) através de Jean, que afirmou em depoimento ter sido enganado pela namorada. O áudio passou por uma perícia audiográfica, que constatou que a voz é de Suyany. Nas mensagens de voz, Suyany se apresenta como “Nat” e pede para Júlia cuidar dos filhos dela durante um mês. Ela oferece ainda R$ 5,5 mil pelo cuidado de uma das crianças que teria uma deficiência.

No áudio, a cigana também pede para que Júlia não tenha acesso ao celular. Suyany diz: “Eu sei que está chegando o seu aniversário, só que realmente preciso que dê atenção a eles até pelo outro ter problema e cuidar dos cachorros também. Peço que você não fique em telefone, que você dê mais atenção para eles. Não sair, não deixar eles”, afirmou no áudio.

Denúncia contra família de cigana por ameaça a testemunhas

A Polícia Civil abriu um novo inquérito para investigar as denúncias de ameaças feitas pela família da cigana Suyany Breschak, suspeita de ser a mandante do assassinato do empresário Luiz Ormond, às testemunhas do caso. O caso está sendo investigado como coação no curso do processo pela 25ª DP (Engenho Novo).

Através de uma carta enviada a um ex-namorado, a psicóloga Júlia Cathermol, que está presa sob suspeita de ter dopado o empresário com um “brigadeirão”, afirmou ter sido ameaçada e coagida durante o tempo em que ficou com a vítima. A suspeita alegou ainda que estava “fraca mentalmente” e que sofreu uma “lavagem cerebral”. Essa versão está de acordo com a hipótese da polícia de que Suyany seria a mandante do crime e teria influência espiritual sobre Júlia.

Além do depoimento de Júlia, um ex-namorado de Suyany também revelou ter recebido ameaças depois de ter sido acusado de entregá-la para a polícia. Orlando Ianoviche Neto, ex-marido da mulher, contou que ela até ameaçou envenenar os dois filhos do homem em uma situação anterior ao homicídio. Esse caso foi registrado na 126ª DP de Cabo Frio.

Breschak foi presa no dia 28 de maio sob suspeita de envolvimento no assassinato do empresário. Segundo as investigações conduzidas pelo delegado Marcos Buss, da 25ª DP, a mulher sabia de todo o plano para matar a vítima. A cigana era uma espécie de mentora espiritual de Júlia Cathermol.

Em depoimento, Suyane afirmou que a psicóloga não aguentava mais o relacionamento e queria matar o empresário. “Temos o depoimento da Suyane, que detalhou o que a Júlia teria confidenciado a ela. Temos elementos de que a Suyane tinha conhecimento antes, durante e depois do plano criminoso da Júlia”, disse o delegado.

A polícia também aponta que a cigana foi beneficiada com todos os bens roubados do empresário e recebeu o carro dele como parte do pagamento de uma dívida de R$ 600 mil por serviços espirituais. O veículo da vítima foi encontrado em Cabo Frio, na Região dos Lagos, após supostamente ter sido vendido por R$ 75 mil e foi recuperado, juntamente com outros bens.

Fonte da Notícia: Guia Região dos Lagos

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Picture of Bruno Rodrigo Souza

Bruno Rodrigo Souza

Bruno é Fundador e Editor no Guia Região dos Lagos

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]