Adolescente de 14 anos sofre lesão medular após mergulho em Arraial do Cabo

spot_img

Adolescente de 14 anos fica tetraplégico após mergulho em Arraial do Cabo

Um adolescente de 14 anos, natural de Magé, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, ficou tetraplégico após mergulhar na parte rasa de uma praia em , durante o último fim de semana.

O acidente ocorreu no sábado (10) e o jovem foi levado ao pronto socorro do Hospital Geral do município, onde deu entrada às 14h57. Após a realização de um exame de tomografia de coluna cervical, foi constatada uma fratura em duas vértebras.

Transferência para o Hospital Estadual Roberto Chabo (HERC)

Devido à gravidade, o paciente foi transferido para o Hospital Estadual Roberto Chabo (HERC), em Araruama, às 15h20. No HERC, o adolescente recebeu estabilização, medicação e realizou outros exames de imagem. Antes de realizar a cirurgia, ele passou por avaliação de risco cirúrgico e novos exames.

A cirurgia foi realizada na manhã desta terça-feira (13). O adolescente segue internado e em processo de recuperação, porém, a equipe médica confirmou que o quadro é de tetraplegia.

É importante ressaltar que a tetraplegia é uma condição em que o indivíduo perde o movimento das quatro extremidades do corpo, incluindo braços e pernas. Geralmente, essa condição é causada por lesões na medula espinal e pode ocorrer em decorrência de acidentes traumáticos, como mergulhos em locais rasos ou quedas.

Acidentes em praias

Infelizmente, acidentes como o ocorrido com o adolescente em não são incomuns em praias. É fundamental ressaltar a importância de sempre tomar precauções e estar atento às condições do ambiente antes de entrar na água.

Mergulhos em locais rasos podem ser extremamente perigosos, principalmente se a água estiver agitada ou em áreas desconhecidas. É essencial conhecer bem o local e identificar se há riscos como pedras ou correntes marítimas.

Além disso, é fundamental respeitar as orientações dos salva-vidas e evitar comportamentos irresponsáveis, como mergulhar de cabeça em locais desconhecidos ou realizar acrobacias arriscadas. Essas atitudes podem resultar em graves lesões na coluna vertebral, como no caso do adolescente de Magé.

A segurança nas praias é responsabilidade de todos, desde os banhistas até as autoridades e equipes de salvamento. É essencial que campanhas de conscientização sejam realizadas e que haja uma estrutura adequada para prevenir acidentes e oferecer pronto atendimento em casos de emergência.

Recuperação do adolescente

A recuperação do adolescente tetraplégico será um processo longo e desafiador. Ele provavelmente precisará de suporte médico constante, fisioterapia e terapia ocupacional para recuperar a independência e a qualidade de vida.

É importante que ele receba um suporte integral, não apenas físico, mas também psicológico, emocional e social, para lidar com as mudanças provocadas pela tetraplegia. O apoio da família e de profissionais especializados será essencial nesse processo de adaptação.

Acidentes como esse reforçam a necessidade de investimento em medidas preventivas e na segurança das praias. Além disso, é fundamental que as pessoas estejam conscientes dos riscos e tomem as devidas precauções ao frequentar ambientes aquáticos.

A valorização da vida e a preservação da integridade física devem ser prioridades em todas as atividades de lazer, especialmente aquelas que envolvem elementos naturais, como praias e rios. É responsabilidade de todos zelar pela segurança e bem-estar coletivo.

Fonte da Notícia: Guia Região dos Lagos

Ajude-nos e avalie esta notícia.
Picture of Bruno Rodrigo Souza

Bruno Rodrigo Souza

Bruno é Fundador e Editor no Guia Região dos Lagos

Use os botões abaixo para compartilhar este conteúdo:

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
[wilcity_before_footer_shortcode]